27 maio 2012

Túnel


Super Bonder na pálpebra de um olho
Excrementos que quase saem, mas voltam pelo reto
Borboletas azuis alfinetadas e pranto que eu não recolho
Continuam relutantes para ter-me por perto

Querendo vida
Enquanto uns querem saída
Caminhando pela avenida
Comprando mais uma bebida

Lágrimas de glitter
Piche correndo nas veias
Enquanto na escuridão um sorriso alheio do artificial esfíncter
Um abraço não acalma o desespero das sereias

Marca na jugular
Beijo de um vampiro que apenas queria acariciar
Impossível acordar sem teu beijo amargo a espreitar
Queria que fosse sabor café, mas é sabor matar

Ela foi demitida sem justa causa pelo excesso de flatulência
Ele foi demitido por justa causa pelo excesso de obediência
Sol, noite, dia, rasga mortalha, clemência
Hoje é o último dia, então que venha a absolvição, misericórdia, benevolência

Nenhum comentário:

Postar um comentário